Procurar
Close this search box.

Como lidar com a dúvida?

Sentir dúvidas como cristão pode desestabilizá-lo muito. Você poderá até se perguntar se tem permissão para duvidar ou mesmo ficar preocupado que Deus o condenará por isso. Você pode ficar apreensivo ao compartilhar suas lutas com outros crentes e, como resultado, pode se sentir cada vez mais alienado deles.

A dúvida faz parte da experiência humana

Todos nós experimentamos incertezas. Nas Escrituras encontramos pessoas que duvidam. No livro dos Salmos no Antigo Testamento, Asafe compartilha suas lutas e no Novo Testamento temos João Batista e Tomé, um dos próprios discípulos de Jesus, que passam por dúvidas. Veremos suas experiências com mais detalhes posteriormente.

No entanto, também se pode olhar para as dúvidas de uma perspectiva positiva. Então, em vez de permitir que elas sejam debilitantes em nossas vidas, podemos vê-las como sinais de alerta de que precisamos prestar atenção extra a vários assuntos incertos em nossas vidas. Por exemplo, podemos nos perguntar se nos preparamos bem o suficiente para nosso próximo exame ou uma apresentação de projeto de trabalho. A dúvida pode, assim, tornar-se um factor motivador para nos esforçarmos mais para garantir que criamos as estratégias corretas. Assim, a dúvida pode ser usada positivamente.

Tim Keller coloca assim: “Uma fé sem dúvidas é como um corpo humano sem anticorpos. As pessoas, que alegremente passam a vida demasiado ocupadas ou indiferentes para fazer perguntas difíceis sobre por que acreditam no que acreditam, se sentirão indefesas contra a experiência da tragédia ou as perguntas investigativas de um cético inteligente. A fé de uma pessoa pode desmoronar quase da noite para o dia se ela falhou ao longo dos anos em ouvir pacientemente suas próprias dúvidas, que só devem ser descartadas após longa reflexão.”[1]

Dúvidas nas Escrituras

  • Asafe escreveu um Salmo no qual descreve sua luta pessoal: ele não conseguia entender como Deus poderia ser bom diante da prosperidade de pessoas más. Ele ficou profundamente afetado pelas perguntas que lhe fizeram: “Como o sabe Deus? E há conhecimento no Altíssimo?” (Salmo 73:11). Eles alegavam que Deus era cego ou ignorante e, portanto, sentiam-se seguros o suficiente para fazer o que quisessem.
  • João Batista duvidou da identidade de Jesus como o Messias e Salvador de Israel. Ele havia percebido que a messianidade de Jesus não era aceite pela maioria do povo judeu. Na verdade, João estava preso e, portanto, sua perspectiva sobre o que estava acontecendo era muito limitada. Ele queria obter respostas e questionou Jesus por meio de seus discípulos: “És tu aquele que há de vir, ou devemos esperar outro?” (Mateus 11:3).
  • Tomé duvidou da ressurreição, pois não estava com os outros discípulos quando Jesus lhes apareceu. Ele pediu a mesma prova que os outros discípulos haviam experimentado. E disse: “Se eu não vir em suas mãos a marca dos pregos, e não colocar o meu dedo na marca dos pregos, e não colocar a minha mão no seu lado, nunca acreditarei” (João 20:25). Tomé era o tipo de pessoa que não queria confiar nas experiências de outras pessoas, ele queria saber por si mesmo.

Entendendo melhor a dúvida

Diferenciemos alguns tipos de dúvidas, definindo-as por suas causas e motivos. Uma combinação destas pode estar em jogo em sua vida.

Causas

  1. Dúvidas podem surgir como resultado de questionamentos intelectuais sobre certas questões fundamentais da fé, como a existência de Deus e a realidade espiritual, ou sobre princípios específicos da fé cristã, como a ressurreição de Cristo. Talvez as pessoas tenham feito algumas perguntas difíceis sobre o que você acredita e você não conseguiu respondê-las. Isso fez com que você se questionasse.
  2. A dúvida pode surgir por motivos emocionais, muitas vezes resultando em falta de confiança em Deus. Você ainda pode acreditar que Deus existe, mas questiona se Ele é o tipo de Deus que está pessoalmente envolvido em sua vida. Talvez você esteja passando por contratempos perturbadores ou pela perda de entes queridos que desencadeiam sentimentos de que Deus está distante ou mesmo ausente. A dúvida sobre se Ele realmente existe pode surgir em sua mente ou você pode simplesmente se sentir muito entorpecido e quebrado para ter certeza de qualquer coisa.

Motivos

  1. Você duvida porque deseja sinceramente encontrar respostas e está disposto a se esforçar para as encontrar. Sua motivação geral é crescer em compreensão.
  2. Você experimenta dúvidas porque realmente não acredita que suas perguntas possam ser respondidas satisfatoriamente. Isso pode ser devido a razões filosóficas pressupostas: você pode se apegar à visão de que não são respostas definitivas para perguntas sobre o significado da vida ou da espiritualidade. Ou você pode pensar que apenas posições comprovadas racional e experimentalmente são dignas de crença. Talvez seu motivo seja que você não está pronto para enfrentar as consequências se algumas de suas perguntas forem respondidas. Então, você realmente escolhe manter suas dúvidas; pode até se tornar um modo de vida confortável. Na verdade, você quer manter Deus à distância.

As dúvidas podem, portanto, destruir seu relacionamento com Deus ou edificá-lo. Elas podem pôr fim ao seu relacionamento com Deus se você as deixar sem vigilância e permitir
Que essas lutas distanciem sua mente e coração dEle. As dúvidas também podem aprofundar sua conexão com Deus se você as considerar como degraus para uma fé mais forte em busca de compreensão.

Maneiras de lidar com as dúvidas

Quando você tiver dúvidas, há algumas coisas que você pode fazer:

  • Antes de tudo, busque a Deus em oração e expresse seus sentimentos de dúvidas a Ele e peça a Ele para ajudá-lo. Nos Salmos encontramos pessoas expressando livremente suas perguntas a Deus. “Por que te conservas longe, Senhor ? Por que te escondes nos tempos de angústia?” (Salmo 10:1). Até mesmo Jesus clamou em desespero na cruz: “Meu Deus, por que me desamparaste” (Mateus 27:46 citando Salmos 22:1). Então, no meio de todas as suas lutas, mantenha suas linhas de comunicação com Deus abertas! Ele te ama como Seu filho e não o rejeitará. Ele virá até você, mesmo que demore um pouco. Acreditar nisso é uma questão de confiança. Você não pode exigir nada Dele, mas é claro que pode pedir-Lhe respostas específicas e também uma experiência reconfortante de Sua presença. Jesus veio até Tomé. Ele levou a sério as perguntas de Tomé e não o condenou ou rejeitou, em vez disso, Ele o convidou a olhar atentamente para as evidências das marcas em Seu corpo: “Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos;chega a tua mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente.” (João 20:27).
  • Em segundo lugar, procure a companhia de crentes em quem possa confiar. Apesar de como você se sente, continue indo à igreja ou a outras reuniões de comunhão: esses são lugares onde Deus pode falar com você. No Salmo 73, Asafe testifica que, quando foi à casa de Deus, recebeu entendimento e uma perspectiva mais ampla. Além disso, faça um esforço para entrar em contato pessoal com pessoas conhecedoras com quem você possa discutir suas perguntas e dúvidas. João Batista enviou seus discípulos ao próprio Jesus para interrogá-lo. Foi assim que ele obteve as respostas: “Ide e anunciai a João as coisas que ouvis e vedes: Os cegos vêem, e os coxos andam; os leprosos são limpos, e os surdos ouvem; os mortos são ressuscitados, e aos pobres é anunciado o evangelho. E bem-aventurado é aquele que se não escandalizar em mim”. (Mateus 11:4-6). João então soube que Jesus era o Messias prometido de Israel, pois as profecias do Antigo Testamento estavam sendo cumpridas por esses atos proféticos do ministério messiânico.
  • Em terceiro lugar, informe-se intelectualmente. Alguns grandes pensadores lutaram com dúvidas e chegaram a grandes respostas. Há muito material bom que você pode encontrar em livros ou online. Há debates interessantes que você pode assistir e ver como as diferentes opiniões interagem. Não deve incomodá-lo que a existência de Deus não possa ser provada ou refutada como um teorema matemático. A boa notícia é que há muitas evidências de apoio que apontam para Sua existência, como a existência de ordem no universo. A ciência não pode explicar essa ordem. Deve pressupor isso para explicar qualquer coisa. Além disso, há muitos outros assuntos para os quais você não consegue encontrar explicações racionais e, no entanto, age sobre eles como se fossem verdadeiros, como imperativos morais. Todos sabemos que devemos cumprir nossas promessas, independentemente de a ciência ou a racionalidade provarem que isso é verdade. A ciência só pode estabelecer fatos, mas não pode nos dizer quais são nossos deveres morais.

Estes são apenas alguns exemplos de tópicos instigantes para pesquisas adicionais que podem ajudá-lo se você ficar com dúvidas intelectuais.
Confira os recursos fornecidos na parte inferior deste artigo.

Conclusão

Pode ser que suas dúvidas sejam resolvidas à medida que muitas de suas perguntas forem respondidas. Também pode ser que, com o tempo, suas incertezas simplesmente percam o controle sobre você. Você simplesmente aprende a viver com questões não resolvidas em sua vida de fé e não se sente mais debilitado por elas. Por outro lado, as dúvidas podem continuar em sua mente mesmo em sua busca por respostas. Deixe que elas possam motivá-lo a se aprofundar ainda mais em suas perguntas difíceis e encontrar pessoas para interagir emocionalmente, intelectualmente e espiritualmente. E o mais importante de tudo: “Chegai-vos a Deus e Ele se chegará a vós” (Tiago 4:8).

[1] Keller, Timothy (2008-02-14). A Razão de Deus. Grupo de Publicação Pinguim. Edição Kindle, localização 192).

Alguns recursos úteis

Compartilhar postagem