Biblword.net
Como posso orar? Um guia prático para orações pessoais

Como posso orar? Um guia prático para orações pessoais

Como cristãos, temos o poderoso privilégio da oração. Sabemos que a oração é importante e que deve fazer parte de nossas vidas diárias. E ainda assim, orar nem sempre é fácil. Às vezes ecoamos a pergunta dos discípulos de Jesus: “Senhor, ensina-nos a orar” (Lucas 1:11).

Usando orações litúrgicas

Jesus deu a Seus discípulos um exemplo de oração, conhecida como Pai Nosso. Ela é literalmente recitado pelos cristãos. Mais tarde, as igrejas desenvolveram muito mais orações que poderiam ser usadas pelas pessoas para recitar literalmente. Uma coleção bem conhecida de tais orações é o Livro de Orações, usado nas igrejas anglicanas. Mas existem muitos mais, em várias línguas e usados ​​por diferentes denominações da igreja. Alguns deles têm orações gerais, outros especificamente adequados para dias ou ocasiões específicas. Tais orações podem ser úteis se tivermos dificuldade em encontrar as palavras certas para expressar nossos agradecimentos ou nossas tristezas, ou quando nossos pensamentos tendem a vagar, ou quando estamos tão ocupados com um problema específico que mal nos podemos focar em qualquer outra coisa. Orações litúrgicas equilibradas podem ser muito saudáveis ​​para nossas vidas de oração.

Usando suas próprias palavras

A Bíblia deixa claro, no entanto, que também devemos usar ou expressar nossas próprias palavras para nossas orações. Não há prescrições sobre a duração ou o conteúdo, muito menos sobre o texto exato de nossas orações. Jesus deixa isso claro em Mateus 6: 7: “Ao orar, não amontoem frases vazias como os gentios, pois pensam que serão ouvidos por suas muitas repetições. Não sejam como eles, pois vosso Pai sabe o que vocês precisam antes de Lhe pedirem. ”

Orações tanto litúrgicas como pessoais

Em toda a Bíblia, encontramos muitos exemplos de orações que se encaixavam em uma ocasião específica, expressavam emoções ou dúvidas pessoais de alguém e não seriam de todo adequados para serem copiados por outras pessoas em diferentes circunstâncias. Isso é compreensível. A oração pode ser uma comunicação muito pessoal com o Criador do universo. Portanto, tanto as orações litúrgicas quanto as pessoais podem ter um lugar válido na vida cristã.

Um guia prático de como orar

Às vezes, você pode achar que as orações litúrgicas não tratam de todos os problemas pessoais que você deseja cobrir em sua oração. E, no entanto, quando usa suas próprias palavras o tempo todo, pode acabar com orações desequilibradas ou sentir que está apenas se repetindo. Se isso for um problema para você, o seguinte guia prático pode ajudar a desenvolver uma vida de oração pessoal, porém equilibrada, que honre a Deus. Pegue sua própria mão como ponto de partida. Cada dedo se assemelha a um aspecto particular da oração.

Polegares para cima: louvar a Deus

Começamos com o polegar. Para a maioria de nós, o gesto com o polegar para cima é bem claro. Pense, por exemplo, no Facebook, onde esse sinal é usado com muita frequência. Expressa aprovação para alguém ou algo. Aplicando isso à oração, nosso polegar nos lembra de louvar a Deus por Quem Ele é e pelo que Ele fez pela humanidade. Nos Salmos, encontramos muitos exemplos de louvor: “Ó Senhor, nosso Senhor, quão majestoso é o teu nome em toda a terra!” (Salmo 8: 9) “Louvado seja o Senhor! Dai graças ao Senhor, porque ele é bom, porque o seu amor dura para sempre! Quem pode proferir as poderosas obras do Senhor, ou declarar todo o Seu louvor? ” (Salmo 106: 1-2)

Aponte para as bênçãos de Deus

Em seguida, vem o dedo indicador, que é frequentemente usado para apontar coisas ao nosso redor. Em nossa oração, apontamos para todas as bênçãos que Deus nos deu e agradecemos a Ele por elas. Louvarei o nome de Deus com uma canção; Eu O engrandecerei com ações de graças ”(Salmo 69:30). “A ti, ó Deus de meus pais, dou graças e louvor, pois me deste sabedoria e poder, e agora me fez saber o que pedimos, porque nos fez conhecer a questão do rei” ( Daniel 2:23). “Em primeiro lugar, agradeço a Deus por todos vocês, porque Jesus é proclamado em todo o mundo” (Romanos 1: 8).

O tal dedo: desrespeito e pecado

Estender o dedo médio é geralmente considerado um gesto desrespeitoso, que mostra desprezo. Embora você provavelmente não o use dessa maneira literalmente, o dedo do meio nos lembra todas as vezes que tratamos Deus ou outras pessoas com desrespeito. Muitas vezes há tanto pecado em nossas vidas que devemos confessar e pedir perdão. Faça disso um elemento estrutural de suas orações para limpar tudo o que está entre você e Deus. “Se confessarmos nossos pecados, Ele é fiel e justo para perdoar nossos pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1: 9). Os Salmos também oferecem vários exemplos desse tipo de oração; veja, por exemplo, o Salmo 51: “Tem piedade de mim, ó Deus, de acordo com o Teu amor inabalável; segundo a tua abundante misericórdia apaga as minhas transgressões. Lava-me completamente da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado! Pois conheço minhas transgressões e meu pecado está sempre diante de mim. Contra ti, somente contra ti, pequei e fiz o que é mau aos teus olhos, para que sejas justificado em tuas palavras e irrepreensível em teu juízo. ”

O dedo anelar: como nos relacionamos com os outros

O dedo anelar é onde muitas pessoas carregam um anel de casamento. Este é um símbolo para as pessoas com as quais você está conectado: parentes, amigos, irmãos na fé. Nesse ponto de sua oração, dedique algum tempo para súplicas pelas pessoas ao seu redor. Paulo pediu, por exemplo, em uma de suas cartas: irmãos, rogai por nós. Por sua vez, Paulo escreve em Colossenses 1: 9: “Não deixamos de orar por vocês, pedindo que sejam cheios com o conhecimento de Sua vontade em toda a sabedoria e entendimento espiritual.” Jesus até nos ordena: “Abençoa os que te amaldiçoam, ora por aqueles que te maltratam” (Lucas 6:28).

Ore por si mesmo

Por último, mas não menos importante, há o dedo mindinho – um lembrete para orarmos por nós mesmos também. “Em tudo, através da oração e súplica, com ações de graça, façam com que vossos pedidos sejam conhecidos por Deus” (Filipenses 4: 6). Se derramarmos nossos corações diante de Deus em oração, podemos ter certeza de que Ele ouve. “Porque todo aquele que pede recebe, e quem procura encontra, e a quem bate será aberto” (Mateus 7: 8).

Como esse ensino da Bíblia fala com você? Por favor, compartilhe seus pensamentos abaixo!

Grietje Commelin

Grietje studied theology and mastered in Bible Translation. Next to being a mother, she supports GlobalRize by writing bible reflections and other content for GlobalRize.

Curso Bíblico Gratuito

Disponibilizamos agora um curso bíblico online 100% gratuito. Em apenas 15 lições poderá aprender mais sobre Jesus.

Registe-se agora grátis!