Procurar
Close this search box.

O que é expiação?

Se você é novo no cristianismo (ou mesmo se já é cristão há muito tempo!) certas palavras e frases usadas por teólogos podem soar completamente ininteligíveis. No entanto, é útil conhecê-las para obter uma compreensão mais profunda dos fundamentos da fé cristã. Uma dessas palavras é “expiação”. Vamos descobrir o que essa palavra significa e por que ela é importante.

Uma definição

De acordo com o dicionário Merriam-Webster, ‘expiar’ significa ‘fornecer ou servir como reparação ou compensação por algo ruim ou indesejável’. Este dicionário também nos diz que a palavra ‘expiação’ é usada para denotar ‘a reconciliação de Deus e a humanidade por meio da morte sacrificial de Jesus Cristo’. Isso nos leva direto ao cerne da mensagem bíblica. A palavra ‘expiação’ implica que algo ruim aconteceu entre Deus e a humanidade, e isso pode ser reparado ou compensado pela morte de Jesus Cristo. Vamos nos aprofundar um pouco mais.

O ‘mal’ que aconteceu

Quando Deus criou os primeiros humanos, Adão e Eva, Seu propósito para eles era ser Seu povo e habitar com Ele. O homem desfrutava da vida na presença de Deus. Isso se reflete em alguns Salmos, por exemplo:

  • “Far-me-ás ver a vereda da vida;
    na tua presença há abundância de alegrias;
    à tua mão direita há delícias perpetuamente.”
    (Salmo 16:11)
  • “ Senhor que me aconselhou;
    até o meu coração me ensina de noite.
    Tenho posto o Senhor.”
    (Salmos 26:8)

No entanto, em Gênesis 3 lemos como Adão e Eva desobedeceram ao Senhor Deus. Ao perceber a gravidade de sua ação, “E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e escondeu-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim” (Gênesis 3:8). Ficaram envergonhados e não se sentiam mais à vontade na presença de seu Criador. E com razão, visto que não preenchiam mais os requisitos para habitar no santo monte de Deus:

“Senhor, quem habitará no teu tabernáculo?
Quem morará no teu santo monte?
Aquele que anda em sinceridade, e pratica a justiça,
e fala verazmente segundo o seu coração…” (Salmos 15:1-2).

Adão e Eva claramente não fizeram o que era certo. Deus os responsabilizou e os enviou para fora do Jardim do Éden, onde viviam com Ele. Por causa de sua rebelião, eles não podiam mais estar diante de um Deus santo.

Deus tomou a iniciativa de reparar o relacionamento

Quando Deus tirou Adão e Eva de Sua presença, Ele não os abandonou completamente. Pelo contrário, Ele prometeu que um dia um de seus descendentes lutaria com sucesso contra Satanás (o inimigo de Deus que havia tentado Adão e Eva à desobediência). Isso abriria o caminho para a restauração da situação original onde Deus e o homem habitavam juntos. O restante da Bíblia é basicamente um relato de como Deus tornou isso possível.

Sacrifícios como meio de expiação

A humanidade foi exilada da presença de Deus, mas Ele não queria que essa situação continuasse para sempre. Ele escolheu uma nação, os israelitas, para ser Seu povo especial e disse: “E habitarei no meio dos filhos de Israel e lhes serei por Deus, e saberão que eu sou o Senhor, seu Deus, que os tenho tirado da terra do Egito, para habitar no meio deles; eu, o Senhor, seu Deus” (Êxodo 29:45-46). Como isso foi possível? A resposta pode ser encontrada nos livros de Êxodo e Levítico. O Senhor Deus ordenou aos israelitas que construíssem um tabernáculo, uma tenda sagrada, como Sua morada (Êxodo 25:8-9; 40:34). Ele também deu prescrições detalhadas para sacrifícios que permitiriam que as pessoas entrassem neste tabernáculo e, assim, chegassem à presença de Deus.

Deixe-me citar um livro útil de Michael Morales[1] aqui: “Todo o sistema sacrificial serve para expiar e encontra seu significado na função expiatória do próprio sacrifício. […] A expiação é um meio para atingir um fim, um meio para a comunhão de Israel com YHWH Deus” (Morales 2015, pp 124-125). Morales explica ainda que a expiação tem um duplo significado nas Escrituras: resgate da morte e purificação da poluição do pecado.

Se os pecadores quisessem entrar na presença de Deus, deveriam escolher um cordeiro ou cabrito perfeito e levá-lo para a tenda sagrada. Então, Levítico 1:4 explica, “porá a mão sobre a cabeça do holocausto, e será aceito para fazer expiação por ele”. O animal servia como substituto para apresentar o povo diante de Deus, reconciliado e aceito. Para mais informações sobre sacrifícios de animais, leia este artigo.

Jesus como o último sacrifício de expiação

Sacrifícios de animais não poderiam alcançar a expiação de forma permanente. Uma solução permanente foi fornecida pela morte sacrificial de Jesus Cristo. Não apenas para o povo de Israel, mas para todas as pessoas. Como resume o Catecismo: “Já que a morte é o castigo pelo pecado, Cristo morreu voluntariamente em nosso lugar para nos libertar do poder e da penalidade do pecado e nos trazer de volta a Deus. Por sua morte expiatória substitutiva, somente Ele nos redime do inferno e ganha para nós o perdão dos pecados, a justiça e a vida eterna”.

Jesus Cristo foi oferecido como substituto em nosso lugar. Ele tomou sobre Si os pecados da humanidade, para que pudéssemos receber a expiação por nossos pecados e nos reconciliarmos com Deus. “Mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores” (Romanos 5:8). Se aceitarmos a oferta de Jesus pela fé, podemos “ter confiança para entrar nos lugares santos pelo sangue de Jesus” (Hebreus 10:19). Podemos estar na presença de Deus novamente, já que Jesus pagou pelo mal que nós humanos fizemos ao nosso Criador. Ele nos reconciliou com Deus.

É muito importante ter seu relacionamento com Deus restaurado, senão você terá que passar a eternidade sem Ele. Portanto, faça eco da oração no Salmo 79:9,

“Ajuda-nos, ó Deus da nossa salvação,
pela glória do teu nome;
e livra-nos e perdoa os nossos pecados,
por amor do teu nome!”

[1] Morales, L. Michael. Quem Subirá a Montanha do Senhor? Uma teologia bíblica do livro de Levítico. (D.A. Carson, Ed.) Novos estudos em teologia bíblica, parte 37. Nottingham: Apollos, 2015.

Compartilhar postagem