Home » Bíblia » Sobre versos bíblicos específicos »  O que o tabernáculo nos ensina sobre Deus?

 O que o tabernáculo nos ensina sobre Deus?

tabernacle tabernáculo

Depois que Deus resgatou os israelitas da escravidão no Egito (veja o livro de Êxodo), eles acamparam no deserto por cerca de quarenta anos antes de finalmente entrarem em seu novo território. Durante esse tempo, Deus ensinou muito aos israelitas sobre Si mesmo e lhes deu muitas prescrições religiosas e socioeconômicas. Entre outras coisas, Deus lhes deu instruções detalhadas para construir uma morada para Ele, chamada tabernáculo.

Como muitos desses detalhes estão escritos na Bíblia, sabemos muito bem como deve ter sido. Há muito significado simbólico na construção deste santuário. Vejamos algumas das lições que nos ensina sobre Deus e nosso relacionamento com Ele.

Deus quer um relacionamento

Deus é Santo e Omnipresente. E, no entanto, Ele quer habitar entre os humanos: “E habitarei no meio dos filhos de Israel, e lhes serei o seu Deus” (Êxodo 29:45). O Senhor quer um relacionamento com as pessoas, e isso é expresso por Seu mandamento aos israelitas de construir uma morada terrena para Ele.

Como eles estavam viajando na época, o santuário deveria ser portátil. Era uma espécie de tenda, e os israelitas a levavam para onde quer que fossem. Cada vez que armavam suas tendas, o tabernáculo ocupava um lugar central no meio do acampamento. Dessa forma, a presença de Deus estava sempre próxima e visível. Mais tarde, quando os israelitas se estabeleceram na terra de Canaã, eles construiriam um templo permanente.

Deus é Santo

O tabernáculo não era um edifício. Consistia em um pátio externo cercado por uma cerca. Dentro deste pátio, havia uma tenda chamada “lugar santo”. Somente os sacerdotes podiam entrar ali para cumprir seus deveres rituais.

Dentro deste “lugar santo”, havia uma área separada chamada “santo dos santos”. Ali estava a arca da aliança, um baú de madeira, “ coberta de ouro toda em redor; em que estava um vaso de ouro, que continha o maná, e a vara de Arão, que tinha florescido, e as tábuas da aliança” (Hebreus 9:4). A arca tinha uma tampa dourada chamada “propiciatório”. Este era o lugar onde Deus habitava, como Deus disse a Moisés: E ali virei a ti, e falarei contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins (que estão sobre a arca do testemunho), tudo o que eu te ordenar para os filhos de Israel” (Êxodo 25:22).

Somente o sumo sacerdote podia entrar no “santo dos santos” uma vez por ano, durante o Dia da Expiação. Era seccionado por uma cortina especial, simbolizando que as pessoas não podem entrar na presença de Deus porque sua pecaminosidade entra em conflito com a santidade de Deus. Assim, embora o tabernáculo fosse a morada de Deus entre as pessoas e mostrasse que Ele quer um relacionamento conosco, humanos, também ficou claro que as pessoas não podem vir a Ele exatamente como são.

As pessoas precisam de expiação

No pátio externo havia um altar de holocaustos. Nesse altar sacrificavam-se animais e oferecia-se comida a Deus. Existem muitas prescrições sobre os procedimentos exatos de vários tipos de sacrifícios, que não discutiremos em detalhe aqui. Mas os sacrifícios de animais deixaram um fato dolorosamente claro: as pessoas são pecadoras e merecem a morte. A única maneira de evitar o julgamento do Senhor é se alguém morrer em seu lugar.

A necessidade de expiação era simbolizada diariamente no tabernáculo: se uma pessoa pecasse, deveria trazer um animal aos sacerdotes e este animal deveria ser morto e queimado no altar. “O sacerdote o queimará sobre o altar, sobre as ofertas de alimentos do Senhor. E o sacerdote fará por ele expiação do pecado que cometeu, e ser-lhe-á perdoado” (Levítico 4:35).

Os sacrifícios de animais eram necessários para restaurar e manter o relacionamento entre um Deus Santo e Seu povo pecador. Mas eles não eram uma solução em si. Os sacrifícios de animais só poderiam fornecer perdão com base na morte expiatória de Jesus Cristo séculos depois. “Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação, nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção.” (Hebreus 9:11-12).

Jesus cumpriu o simbolismo do tabernáculo

O tabernáculo e seus rituais e prescrições eram “uma cópia e sombra das coisas celestiais” (Hebreus 8:5). Agora que Jesus veio e cumpriu tudo isso, o tabernáculo (ou templo) com seus sacrifícios não são mais necessários. “Onde há perdão destes [pecados e atos contra a lei], não há mais oferta pelo pecado” (Hebreus 10:18).

Jesus abriu um “caminho novo e vivo” para Deus. Se cremos em Jesus para o perdão dos nossos pecados, podemos “chegar-nos com verdadeiro coração, em plena certeza de fé, com o coração purificado de má consciência e o corpo lavado com água pura” (Hebreus 10:22). Não precisamos mais de um tabernáculo. Como crentes nós “como pedras vivas, somos edificados casa espiritual, sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo” (1 Pedro 2:5).

Compartilhar postagem