Procurar
Close this search box.

Porque Jesus proibia as pessoas de contar sobre os milagres que Ele fazia?

Isso parece estranho à primeira vista: por que Jesus não queria que todos soubessem dos milagres que Ele realizou? Vamos nos aprofundar um pouco mais para encontrar a resposta. Em muitos lugares do Evangelho onde lemos sobre os milagres que Jesus realizou, também lemos que Ele proibiu a pessoa curada de espalhar a palavra. Veja, por exemplo, Marcos 1:40-44 (compare com Mateus 8:2-4):

“E aproximou-se dele um leproso, que, rogando-lhe e pondo-se de joelhos diante dele, lhe dizia: Se queres, bem podes limpar-me.
E Jesus, movido de grande compaixão, estendeu a mão, e tocou-o, e disse-lhe: Quero, sê limpo! E, tendo ele dito isso, logo a lepra desapareceu, e ficou limpo. E, advertindo-o severamente, logo o despediu. E disse-lhe: Olha, não digas nada a ninguém; porém vai, mostra-te ao sacerdote e oferece pela tua purificação o que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho’”.

Versículos sobre Jesus dizendo às pessoas para ficarem quietas

Existem vários outros exemplos em que Jesus disse às pessoas para ficarem quietas sobre sua cura. Em quase todos os casos, Jesus ordenou “severamente” ou “estritamente” que não revelassem o que havia acontecido.

  • Dois cegos em Mateus 9:27-31
  • Pessoas com várias doenças em Mateus 12:15-16
  • Jairo e sua esposa, cuja filha ressuscitou dos mortos em Marcos 5:41-43
  • Um homem que era surdo e tinha um problema de fala em Marcos 7:35-36
  • Um cego em Marcos 8:22-26

Em algumas outras ocasiões, Jesus proibiu Seus discípulos de declarar que Ele era o Cristo:

    • “Então, mandou aos seus discípulos que a ninguém dissessem que ele era o Cristo” em Mateus 16:20; Marcos 8:29-30.
    • Quando três discípulos viram Jesus em Sua glória divina, eles não foram autorizados a compartilhar isso antes de Sua ressurreição (Mateus 17:1-9; Marcos 9:1-9)

De maneira semelhante, os demônios não tinham permissão para dizer quem era Jesus:

  • “ ele os ameaçava muito, para que não o manifestassem” (Marcos 3:11-12)

A missão de Jesus não tinha como prioridade os milagres

Jesus não veio para fazer Seu nome como curador. Ele não queria que Seus milagres atraíssem muita atenção, porque isso poderia atrapalhar Seu ministério.

Isso é realmente o que aconteceu depois que Jesus curou o leproso em Marcos 1. Jesus ordenou ao leproso que se apresentasse ao sacerdote para inspeção. Isso era importante porque, dessa forma, uma prova objetiva de sua cura poderia ser obtida e o leproso curado poderia então entrar na sociedade novamente (conforme ordenado em Levítico 14:2-31). Jesus ordenou severamente que ele ficasse quieto, mas o homem curado fez o oposto. Como resultado, Jesus não podia mais entrar abertamente em uma cidade! (Marcos 1:45). Os milagres tinham o objetivo de apoiar a mensagem de Jesus sobre a vinda do Reino de Deus (conforme descrito em João 2:23), mas agora as pessoas só vinham por causa dos milagres. Muitos não acreditaram Nele, mas apenas queriam ver os sinais por si mesmos (ver João 6:1-2; 12:36-37).

Falsas expectativas do Messias

Muitos judeus tinham expectativas equivocadas sobre o Messias que viria. Eles esperavam que o Messias os livrasse dos opressores romanos e estabelecesse seu reino terrestre. Mas Jesus não veio para derrubar nenhum poder político, Ele veio para pregar o reino e a justiça de Deus (Mateus 12:18-21) e para morrer na cruz por nossos pecados.

Antes que as pessoas espalhassem a notícia de que Jesus era o Messias (ou falassem sobre milagres que mostravam claramente que Ele era o Messias, veja Isaías 26:19; 29:18; 35:4-6)[1], Jesus queria que eles tivessem uma compreensão clara de Sua identidade e missão. A necessidade disso fica clara em Mateus 16:21-22 (compare Marcos 8:31-32), imediatamente depois que Jesus proibiu Seus discípulos de dizer que Ele era o Cristo:

“Desde então, começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muito dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia. E Pedro, tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso.”

Os discípulos ainda não compreendiam que o reinado glorioso de Jesus tinha que ser precedido de sofrimento e morte. Eles esperavam pela restauração política de Israel naquele momento, mas Jesus estava focado principalmente na restauração espiritual. Portanto, se eles tivessem proclamado a chegada do Messias, sua mensagem teria sido, na melhor das hipóteses, unilateral. O mesmo vale para outras pessoas que foram curadas ou que testemunharam milagres de cura. Eles precisavam entender a mensagem de Jesus mais plenamente antes de divulgá-la.

Em Lucas 8:26-39 lemos sobre Jesus curando um endemoninhado. Isso ocorre no país dos gerasenos, um território gentio (não judeu). Depois que o homem é curado, ele quer seguir Jesus, mas Jesus o manda embora com as palavras: “³⁹ Torna para tua casa e conta quão grandes coisas te fez Deus”. Em vez de ficar calado, o homem foi proclamar a todos o que Jesus havia feito! (Lucas 8:39). Em seguida, no mesmo capítulo, lemos sobre a filha de Jairo. Ela tem apenas 12 anos e morre, mas Jesus a ressuscita dos mortos. Ele ordena aos pais que não contem a ninguém o que aconteceu (Lucas 8:56). Aqui Jesus estava de volta ao território judaico. Esta observação confirma o pensamento de que Jesus adaptou Sua mensagem ao Seu público. Quando havia o risco de as pessoas terem expectativas equivocadas sobre a chegada do Messias, Ele (ainda) não queria que soubessem. Quando esse risco não existia, já que as pessoas não conheciam as profecias do Antigo Testamento e não tinham uma expectativa (falha) de que o Messias traria a restauração política, a notícia poderia ser divulgada mais livremente.

Depois da ressurreição de Jesus, as pessoas podiam falar abertamente

Quando Jesus Cristo completou Sua missão morrendo na cruz e ressuscitando dos mortos, Ele comissionou Seus discípulos: “ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até os confins da terra” (Atos 1:8). E eles o fizeram, depois que foram capacitados pelo Espírito Santo. Agora eles podiam falar dos milagres de Jesus em público:

“Varões israelitas, escutai estas palavras: A Jesus Nazareno, varão aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis; a este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, tomando-o vós, o crucificastes e matastes pela mão de injustos; ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela” (Atos 2:22-24).

Ter expectativas erradas de Jesus

Durante o tempo de Jesus na terra, muitas pessoas tinham expectativas equivocadas sobre Ele, incluindo Seus próprios discípulos (em parte mesmo após Sua ressurreição, em Atos 1:6). Hoje, muitas pessoas ainda o fazem. Mas Jesus nunca irá decepcioná-lo se você colocar Nele a sua esperança de salvação eterna. Ele veio para reconciliar você com seu Criador (Romanos 5:10-11) e trazer paz ao seu coração (João 14:27). Você O aceita como seu Senhor e Salvador?

[1]Com base nessas profecias, os líderes religiosos judeus declararam quatro sinais que provariam a identidade do Messias, uma vez que essas eram coisas que somente o próprio Deus poderia fazer:
Limpar um leproso
Expulsar um espírito surdo e mudo
A cura de defeitos congênitos
Ressuscitar os mortos depois de três dias (ou seja, o quarto dia)

Jesus fez tudo isso (Marcos 1:40-44; Marcos 7:35-36; João 9:1-7; João 11:38-44)

Compartilhar postagem