Que diz a Bíblia sobre a “Mãe Natureza”?

Os jornais estão cheios de reportagens alarmantes sobre o aquecimento global e desastres ambientais iminentes. Muitas pessoas estão preocupadas com os danos que os humanos estão causando à Terra e à vida que ela sustenta. Nesse contexto, muitos falam da terra como nossa “mãe” que nutre e mantém todos os seres vivos e a quem devemos tratar com respeito. Este conceito de “mãe terra” tem raízes em tradições míticas e filosóficas em todo o mundo, mas será um conceito bíblico?

A terra foi criada por Deus

O primeiro livro da Bíblia começa no “princípio” da terra. Em Gênesis 1-2, conta como Deus criou os céus e a terra, e depois os preencheu e organizou passo a passo. Ele criou o mar e a terra, as plantas, os animais e finalmente o ser humano. Assim, a terra não é a “fonte” ou “mãe” da humanidade, mas seria como nossa “irmã”, pois temos um Criador comum. A terra não é um ser animado ou consciente, mas uma bela obra de arte do Senhor Deus. Como o Salmo 102:25 e Hebreus 1:10 dizem:

Desde a antiguidade lançaste os alicerces da terra,
e os céus são obra das tuas mãos.

Deus sustenta a terra

Assim como a terra e toda criatura viva, juntamente com todos os seres espirituais, foram feitos pelo poder da Palavra de Deus, toda a criação é conservada pela palavra do Seu poder (Hebreus 1:3). Jesus preserva o mundo de desmoronar e cair em confusão. Ele segura o mundo físico e espiritual em Suas mãos e os mantém ativamente funcionando. Ele sustenta e guia toda a história, e também nossa vida pessoal, permitindo que algumas coisas aconteçam e restringindo outras. Ele é a força centrípeta do universo.

A terra não sustenta o homem e os animais. É Deus que o faz

Todas as coisas vivas dependem de Deus (Salmo 104:27-30). Ele alimenta os pássaros. Ele faz com que a erva e as colheitas cresçam. Ele fornece chuva. Quando Ele tira o fôlego de animais ou pessoas, eles morrem. Não dependemos da terra como nossa mãe, mas de Deus como nosso Pai celestial. Ele sabe o que precisamos e Ele proverá (Mateus 6:28-32).

Não devemos adorar a natureza

Romanos 1:22-23 descreve pessoas que adoram seres criados, “imagens semelhantes a homens mortais, pássaros, animais e répteis”, como se fossem deuses. A Bíblia diz que isso é uma coisa tola de se fazer. O mesmo vale para adorar estrelas e planetas, o sol e a lua (veja Deuteronômio 4:19). Todas essas coisas são criadas e, portanto, devemos adorar seu Criador, o Senhor Deus. Dado que a própria terra também foi criada por Ele, ela se enquadra na mesma categoria. A terra não é uma “mãe” ou uma deusa; é obra das mãos de Deus.

A terra reflete a bondade e a sabedoria de Deus

Quando Deus terminou Sua obra de criação, Ele a achou “muito boa”. Os primeiros humanos viviam em harmonia com seu Criador e também com os animais e plantas ao seu redor. Não havia morte ou destruição, espinhos ou cardos, conflito ou violência. Este era o mundo ideal de Deus. A lei da selva não se aplicava aqui, mas cada criatura recebeu seu próprio lugar por Deus. A terra não era apenas um ecossistema funcional, mas um belo jardim com uma infinidade de espécies, cores e formas, cuidadosamente desenhadas pelo Senhor. Toda a criação testifica de Sua criatividade e sabedoria.

Quando o pecado entrou na criação, a terra foi amaldiçoada (Gênesis 3:17-18). Muito de sua perfeição original foi perdida e a criação agora está sujeita à futilidade (Romanos 8:20-22). Mas Deus não abandonou Sua criação. Ele ainda está governando o universo e a terra ainda reflete Sua bondade. Todos sabemos o quão impressionante pode ser o nascer do sol, ou a beleza frágil de uma borboleta. O Salmo 19:1 diz que os céus proclamam a obra das mãos de Deus. Romanos 1:18-20 diz que “as coisas que foram feitas” revelam claramente o poder eterno de Deus e o caráter divino.

A Bíblia também deixa claro que não podemos perceber tudo o que precisamos saber sobre o Senhor através da natureza. Também precisamos de outra fonte de revelação, Sua Palavra. Mas a informação da natureza deve ser suficiente para reconhecer que existe um Deus que fez o mundo. Algumas pessoas pensam que ciência e fé são pontos opostos. Mas não! Quanto mais aprendemos sobre o mundo ao nosso redor, mais claramente podemos ver a obra de Deus e dar-Lhe glória!

Deus criou a terra como a morada da humanidade

Alguns grupos ambientalistas contemporâneos veem os humanos como invasores que perturbam e danificam a natureza. Sua imagem ideal é uma terra onde os humanos recuem o mais longe possível e deixem a natureza seguir seu curso imperturbável. Deus pensa diferente. Ele considera os humanos como a coroa de Sua criação. Após cada dia da criação, “Deus viu que era bom”. Mas no último dia, quando o homem foi criado como a peça final da criação, Deus chamou isso de “muito bom”. O mundo ideal de Deus não era um deserto intocado, mas a terra onde pessoas e animais viveriam juntos. Quando Ele criou os humanos, Ele os instruiu a ter filhos e assim encher a terra de pessoas (Gênesis 1:27-28; Gênesis 9:1).

O homem é essencialmente diferente dos animais porque ele foi criado à imagem de Deus. Essa diferença se reflete nos direitos e deveres que Deus deu ao homem. Ele disse que o homem deveria dominar a terra e governar os diferentes tipos de animais. Adão foi até autorizado a nomeá-los. Isso mostra que ele estava acima deles. Também indica que o homem e os animais não viviam vidas completamente separadas, mas compartilhavam o Jardim do Éden. Esta era a ideia de Deus de um mundo perfeito. Adão foi empregado pelo Senhor, por assim dizer, para cuidar de Seu belo jardim e governar sobre toda criatura viva (Gênesis 1:28). Ele tinha permissão para comer as plantas e desfrutar dos frutos, mas também podia trabalhar e cuidar do jardim. Esta era uma posição honrosa e uma grande responsabilidade.

Infelizmente, nós, humanos, muitas vezes somos maus administradores da criação, levando à degradação e poluição ambiental. Tanto a maldição causada por nosso pecado quanto nosso comportamento pecaminoso realmente têm consequências dramáticas para nosso meio ambiente.

Existe um lado espiritual na natureza

A terra não é um ser animado ou consciente, afirmei. Mas também não é “apenas” um sistema ecológico seguindo leis naturais. Deus tem o poder de intervir em processos naturais para realizar Seus objetivos. Ventos e ondas obedecem a Ele – assim como gafanhotos, gotas de chuva e vírus. Nem tudo o que acontece na terra é causado diretamente por Deus. Mas tanto as advertências proféticas quanto os registros históricos da Bíblia fornecem exemplos de catástrofes naturais que foram resultado direto do julgamento divino sobre as pessoas. Quando Deus disse aos egípcios para deixar o povo de Israel deixar seu país, mas eles não cederam, Deus enviou dez pragas: enxames de rãs, moscas e gafanhotos, água se transformou em sangue, houve dias de escuridão, granizo e assim por diante . A terra foi completamente destruída até que a classe dominante egípcia finalmente cedeu (Salmo 105:26-36).

Quando o rei Acabe e o povo de Israel abandonaram os mandamentos de Deus para servir aos ídolos, Deus reteve a chuva e o orvalho por três anos e meio. Quando as pessoas voltaram para o Senhor, choveu novamente (1 Reis 17:1-7). Quando os israelitas foram repetidamente infiéis a Deus, Ele os advertiu de que seriam exilados e sua terra se tornaria um deserto (Isaías 24:3-6). Esses exemplos mostram que a Terra não funciona independentemente, mas é governada por Deus.

A terra será renovada e restaurada por Deus

A terra foi amaldiçoada por causa do pecado, mas ainda é governada por Deus. Ele permite que coisas ruins aconteçam, como terremotos, fomes, pandemias e guerras. Não entendo por que Ele permite que o pecado tenha um efeito tão devastador em Sua criação, mas a Bíblia nos assegura que tudo isso se encaixa no plano maior de Deus e de alguma forma levará à restauração final do universo. Então os céus e a terra “todos se desgastarão como um vestido” e Deus “os mudará como um manto” (Salmo 102:26; Isaías 51:6; 2 Pedro 3:13). Mas o próprio Deus permanece o mesmo. Ele ainda está no controle.

Já que Jesus resolveu o problema do pecado humano na cruz, a nova terra estará livre do pecado e de suas consequências. O homem viverá em harmonia com Deus, com seus semelhantes e com a natureza (Isaías 11:6).

Conclusão

A ideia da terra como nossa mãe não é bíblica. A Bíblia retrata a natureza como a bela obra de arte de Deus pela qual temos responsabilidade, mas da qual Ele é o Rei.

“Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam”. (Salmo 24:1)

“Ó Senhor, Senhor nosso, quão majestoso é o teu nome em toda a terra!” (Salmo 8:9).

Compartilhar postagem