Procurar
Close this search box.

Quem decidiu que livros fazem parte da Bíblia?

A Bíblia não é um único livro, mas uma coleção de livros escritos por diferentes autores. Isto levanta imediatamente a questão por que certos livros são considerados parte da Bíblia e outros não. Então, quem tomou essa decisão?

Alguns termos-chave

Ao pensar sobre este tema, primeiro precisamos definir alguns termos-chave que são frequentemente usados ​​por cristãos e estudiosos:

  • Cânon – O termo “cânon”, quando aplicado à Bíblia, refere a coleção de livros que são aceitos como oficiais.
  • Antigo Testamento, Bíblia Hebraica ou Escrituras Judaicas – Estes são os livros da Bíblia que foram escritos antes do nascimento de Jesus Cristo. Tanto judeus como cristãos os aceitam como a Palavra autorizada de Deus. Eles foram escritos em hebraico.
  • Novo Testamento – Estes são os livros da Bíblia que foram escritos depois que Jesus Cristo nasceu. O povo judeu não os aceita como Palavra de Deus. Os cristãos aceitam como Palavra de Deus.
  • Livros deuterocanônicos ou apócrifos – São livros escritos antes do nascimento de Jesus Cristo, mas que não fazem parte das Escrituras Judaicas e foram escritos em sua maioria em grego, não em hebraico.

Como tudo começou

Como os livros do Antigo Testamento foram escritos ao longo dos séculos, demorou um pouco até que fosse possível estabelecer um cânon. Mas já antes de o cânon ser concluído, livros separados tinham autoridade. Os Dez Mandamentos que Moisés recebeu de Deus, por exemplo, tiveram autoridade absoluta desde o início. Além disso, o livro de Deuteronômio foi escrito como um texto de aliança que era fixo e não podia ser alterado. Era guardado na tenda sagrada (Êxodo 25:16; 25:21; Deuteronômio 10:1-5; Deuteronômio 31:24-26), deveria ser lido em voz alta regularmente (Deuteronômio 31:9-13) e o rei deveria ter sua própria cópia deste pergaminho (Deuteronômio 17:18).

Anos mais tarde, o rei Josias aceitou estas Escrituras como confiáveis ​​(ver 2 Reis 22-23 e 2 Crônicas 34). Uma história semelhante está registrada em Neemias 8, onde “o Livro da Lei de Moisés que o Senhor ordenou a Israel” é lido na presença de todo o povo, cuidadosamente estudado e obedecido. Além disso, os livros posteriores do Antigo Testamento referem-se repetidamente aos mais antigos. Assim, embora ainda não houvesse um cânon fixo, estes livros bíblicos eram considerados sagrados.

O cânon do Antigo Testamento

Durante muito tempo, os diferentes livros bíblicos foram escritos e transmitidos em rolos separados, o que torna difícil para os historiadores saberem ao certo quando o cânon foi fechado e a partir de quando houve um amplo acordo sobre quais livros pertenciam ou não. Somente mais tarde, quando as Escrituras foram escritas em livros, em vez de rolos separados, a quantidade e a ordem exatas desses livros tornaram-se mais relevantes e rastreáveis.

Várias fontes históricas indicam que por volta da época do nascimento de Jesus (por volta do ano 0 DC), havia um cânon fixo, contendo todos os livros bíblicos do chamado texto Massorético. Jesus, sendo um judeu que conhecia muito bem as Escrituras Judaicas, frequentemente citava vários desses livros e os aceitava como confiáveis. Outros escritores bíblicos do Novo Testamento fizeram o mesmo. Assim, os cristãos não criaram o seu próprio cânon dos livros do Antigo Testamento, mas “copiaram” as Escrituras Hebraicas que os judeus, incluindo Jesus, aceitaram como a Palavra de Deus.

Livros deuterocanônicos

Para complicar ainda mais as coisas, existe uma tradução grega muito antiga da Bíblia Hebraica, chamada Septuaginta. Esta versão inclui alguns livros que não fazem parte das Escrituras Judaicas, mas tinham certa autoridade entre os primeiros cristãos.

Hoje em dia, a Igreja Católica Romana aceita sete desses escritos como oficiais, de acordo com a decisão do Concílio de Trento em 1546. As igrejas ortodoxas orientais e armênias acrescentam mais alguns livros ou porções, e as igrejas etíopes têm uma lista ligeiramente diferente de livros que eles incluíram em seu cânone.

As denominações protestantes variam no que diz respeito a esses escritos, mas todas os consideram extracanônicos. Isto significa que os apócrifos não são considerados parte da palavra inspirada e infalível de Deus. Conseqüentemente, eles não têm a mesma autoridade que os livros canônicos. Os apócrifos consistem em “apenas” livros escritos pelo homem que podem conter lições valiosas, mas também podem conter erros.

O cânon do Novo Testamento

Os seguidores de Jesus consideravam Seus ensinamentos confiáveis. Perto do final do primeiro século, os cristãos citavam as palavras de Jesus e as chamavam de “Escrituras” junto com versículos do Antigo Testamento (ver 1 Timóteo 5:18, que cita as palavras de Jesus em Mateus 10:10 e Lucas 10:7). Além disso, alguns dos seguidores de Jesus, como o apóstolo Paulo, consideravam-se porta-vozes autorizados da verdade.

Outros escritores bíblicos concederam-lhe esta afirmação e incluíram as suas cartas entre as “Escrituras” (ver, por exemplo, 2 Pedro 3:15-16). Houve debate sobre quais apóstolos eram fiéis aos ensinamentos de Jesus e quais cartas foram escritas por deles (já que também havia falsificações). Se você quiser saber mais sobre as considerações e argumentos pelos quais certos livros foram ou não incluídos no cânone, leia este artigo.

Embora os quatro Evangelhos fossem amplamente considerados oficiais, juntamente com Atos, a maioria das epístolas paulinas e várias das epístolas gerais mais longas, a aceitabilidade de alguns dos outros livros foi debatida até o século IV. Em 367 DC, Atanásio, o bispo de Alexandria, nomeou os 27 livros que são atualmente aceitos pelos cristãos, como o cânon oficial das Escrituras. No entanto, esta não foi apenas a sua opinião pessoal. Ele escreveu o consenso de um grupo maior de autoridades religiosas. Em vários concílios da igreja (382 DC em Roma, 393 DC em Hipona e 397 DC em Cartago), a lista de livros do Novo Testamento que foram reconhecidos como canônicos foi oficialmente anotada. Mais tarde, os concílios das igrejas católica romana e protestante declararam suas respectivas decisões sobre o cânon e sobre o status dos apócrifos.

Deus guiou o processo

Deve-se notar que embora o cânon das Escrituras tenha sido discutido e debatido por homens, acreditamos que, em última análise, foi Deus quem levou a Igreja a decidir quais livros Ele queria que fossem incluídos na Sua Palavra divina. Desde que a Bíblia foi completada, nenhum outro livro pode ser acrescentado a ela (ver Apocalipse 22:18).

 

Compartilhar postagem