Será que temos o Evangelho verdadeiro?

Os pregadores pedem que você tenha fé em Jesus. Mas só pode ter fé em Jesus, se puder confiar no que é dito sobre Ele na Bíblia. Muitas vezes falamos sobre “o Evangelho”, quando estamos falando de Jesus. Evangelho significa “boas novas”. Então, quais são essas boas novas, e como pode ter certeza de que temos as boas novas originais sobre Jesus? Se puder responder a isso, então pode estar confiante sobre sua fé em Jesus. Sim, nós temos o verdadeiro Evangelho. Este artigo explicará como podemos ter certeza sobre isso.

O Evangelho Segundo Paulo

O apóstolo Paulo foi uma das primeiras pessoas a viajar pelo império romano para contar às pessoas as boas novas sobre Jesus. Em uma de suas cartas, ele fez um breve resumo do Evangelho que pregava. Esta é uma boa notícia, disse ele: “que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, que foi sepultado, que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (1 Coríntios 15:3,4).

Paulo escreveu isso pelo ano 54 d.C. Pode ter sido um ano antes ou um ano depois, mas sabemos com certeza que essas palavras foram escritas nesse período. Como Jesus foi crucificado em 30 d.C., isso foi em apenas 24 anos após a morte e ressurreição de Jesus. Mas podemos chegar ainda mais perto da história real do que isso. Paulo escreve que ele pregou este Evangelho aos Coríntios (1 Coríntios 15:1). Paulo estava em Corinto em 50 d.C., então ele pregou esta mensagem 20 anos após a crucificação.

Podemos chegar ainda mais perto do que isso? Sim, podemos. Pois Paulo diz que ele mesmo “recebeu” este Evangelho (1 Coríntios 15:2). A palavra “receber” é um termo técnico aqui, significa que recebeu um ensinamento de forma fixa, como um pacote. Quando Paulo recebeu este ensino? A única possibilidade é que isso tenha acontecido quando conheceu os líderes da igreja em Jerusalém logo após se tornar um crente em Jesus (veja Atos 9:26-30).

Isso foi no ano 35 d.C., apenas cinco anos após a morte e ressurreição de Jesus. Mas sempre leva algum tempo para que um ensinamento se torne uma fórmula fixa e seja aceite como tal por toda a comunidade. Vamos estimar que levou 3 anos. Assim fica provado que o Evangelho “que Cristo morreu pelos nossos pecados segundo as Escrituras, que foi sepultado, que ressuscitou ao terceiro dia segundo as Escrituras” já era pregado em 32 d.C., apenas dois anos depois da crucificação! Isso deixa muito claro que temos o verdadeiro Evangelho desde o tempo imediatamente após a vida terrena de Jesus.

Os evangelhos no Novo Testamento

O Evangelho que Paulo pregou, e que nos pedem para acreditar, é baseado em alguns fatos históricos sobre Jesus. Acabei de mostrar que as pessoas acreditavam nesses fatos logo após a vida de Jesus. Existem razões para acreditarmos também nesses fatos? Sim, existem. Temos quatro evangelhos no Novo Testamento que são biografias de Jesus: Mateus, Marcos, Lucas e João. Dois deles foram escritos por testemunhas oculares (Mateus e João), e dois por pessoas que conversaram com testemunhas oculares (Marcos e Lucas). Eu acredito que eles foram escritos nos anos 50 d.C. (Marcos), 60 (Mateus e Lucas) e 90 (João). Alguns supõem datas um pouco posteriores para os primeiros evangelhos, mas isso não faz muita diferença. Temos biografias sobre Jesus de décadas de Sua vida.

Essas biografias são notavelmente semelhantes no que dizem sobre Jesus. Todos O retratam como o Filho de Deus, que iniciou o ministério na Galiléia, que foi pregar sobre Deus, que realizou milagres, que foi crucificado e depois ressuscitou dos mortos. Todos eles têm diferentes pontos de vista a partir dos quais contam a história de Jesus, mas por isso se enriquecem e se confirmam.

Quando lemos os quatro evangelhos, eles nos chegam como biografias de um homem real, não como mito. E foi assim que as pessoas os viveram. Desde o início, as pessoas estavam tão certas sobre os fatos sobre Jesus, que estavam dispostas a morrer por sua fé.

Coincidências não projetadas

Quando lemos os evangelhos, há uma série do que tem sido chamado de “coincidências não planejadas” que são um argumento muito forte para a verdade histórica dos evangelhos. Alguns exemplos destes:

Em João 6 lemos a história de Jesus alimentando os 5.000 em algum lugar perto do Mar da Galiléia. Quando as pessoas vêm a Ele, Ele pergunta a Filipe onde eles poderiam comprar pão para todas essas pessoas (João 6:5). Se essa história foi inventada, por que Jesus perguntaria a Filipe? Poderia ter mencionado Pedro, como o apóstolo mais conhecido. Ou Mateus ou Judas, pois tinham formação em finanças. Porquê Filipe? Filipe é de Betsaida; João nos diz em outro lugar (João 12:21). E Lucas nos diz em seu evangelho exatamente onde esse milagre aconteceu: perto de Betsaida! (Lucas 9:10). Assim, o texto em Lucas confirma que é lógico que Filipe seja mencionado em João; e o texto em João confirma que o lugar para a alimentação dos 5.000 que Lucas menciona é lógico.
Lucas escreve sobre a Última Ceia no capítulo 22. Nele, Jesus diz que está entre os discípulos como aquele que serve à mesa (Lucas 22:27). Não está claro o contexto deste versículo. Mas em João 13 lemos que nesta mesma refeição Jesus lavou os pés de seus discípulos. Assim, a declaração em João confirma a probabilidade de Jesus ter dito o que é relatado em Lucas. Também funciona ao contrário. João não explica a razão por trás do lava-pés. Mas Lucas relata que os discípulos estavam discutindo à mesa sobre quem era o maior (Lucas 23:24). Isso fornece um pano de fundo muito provável para a ação de Jesus. Assim, os dois evangelhos se complementam.
Em Mateus 14:2 lemos algo que Herodes disse aos seus servos. Como Mateus saberia o que acontecia dentro do palácio de Herodes? Provavelmente, algo que um escritor inventaria para tornar a história mais interessante, poderíamos dizer. Mas há outra explicação. Lucas 8:3 menciona algumas mulheres que seguiam Jesus. Entre eles: “Joana, mulher de Cuza, administrador da casa de Herodes”. Assim, Lucas resolve um enigma que Mateus propõe.
Esses são exemplos do próprio texto dos evangelhos que confirmam que não são apenas histórias inventadas. Os evangelhos são História. Eles contêm a verdade sobre Jesus. Ele morreu pelos nossos pecados. E Ele ressuscitou dos mortos. Esse é o Evangelho, e todo aquele que crê Nele receberá a vida eterna.

Compartilhar postagem